16nov19
MARCADO EM: destaqueNotícias

Na batalha de mídia que vem acontecendo nas últimas 15 horas, Taylor Swift negou a alegação da Big Machine Records de que a empresa “não tentou impedi-la de usar material de seus primeiros álbuns”, (que agora são propriedade da gravadora) nos próximos especiais de televisão.


Swift havia feito essas acusações contra a empresa na noite de quinta-feira, afirmando que estava sendo proibida de utilizar suas músicas da era Big Machine nos próximos American Music Awards e em um documentário da Netflix. A Big Machine negou essas alegações em um sentido geral, mas não específico, em um comunicado divulgado nessa sexta-feira.
A Big Machine também alegou que Swift deve a empresa “milhões de dólares e múltiplos ativos”, o que a cantora negou afirmando que na verdade é a Big Machine lhe devia quase 8 milhões em royalties não pagos. Na declaração mais recente, um representante de Swift escreveu: “A verdade é que, em 28 de outubro de 2019 às 17h17, o vice-presidente de gerenciamento de direitos e negócios da Big Machine Label Group enviou a equipe de Taylor Swift o seguinte aviso: ‘Esteja ciente de que o BMLG não concordará em emitir licenças para gravações existentes ou renúncias às restrições de regravação relacionadas a esses dois projetos: O documentário da Netflix e o Double Eleven’ (um evento na China em que Swift se apresentou na semana passada)”.
“Para evitar uma discussão sobre direitos, Taylor apresentou três músicas de seu novo álbum ‘Lover’ no evento Double Eleven, pois ficou claro que o Big Machine Label Group sentiu que qualquer apresentação televisionada de músicas do catálogo violava seu acordo. Além disso, ontem, Scott Borchetta, CEO e fundador do Big Machine Label Group, negou categoricamente o pedido do American Music Awards e da Netflix. Observe que, na declaração da Big Machine, eles nunca negam a afirmação de Taylor na noite passada em seu comunicado. Por fim, a Big Machine está tentando desviar a atenção e ganhar dinheiro com isso dizendo que Taylor deve a eles, mas um auditor profissional independente determinou que a Big Machine deve a Taylor 7,9 milhões em royalties não pagos ao longo de vários anos.”
A Variety viu um documento que parece confirmar as alegações de Taylor sobre a Big Machine negar o uso de suas músicas, embora sua autenticidade não possa ser verificada imediatamente de forma independente.
Swift diz em suas postagens que a equipe da Big Machine disse a ela que só seria permitido o uso de suas músicas antigas se ela concordasse em não grava-las novamente no futuro e se concordasse em não falar negativamente da empresa.
Normalmente a execução de material mais antigo ao vivo que agora está nas mãos de outra gravadora não deveria exigir permissão, porém Swift afirma que Borchetta e Braun estão dizendo que a apresentação de qualquer uma de suas músicas antigas nos AMAs entra em, com suas palavras, “regrava-las antes que eu possa no ano que vem”.
Ela também disse que Scott e Scooter recusaram o uso de suas músicas mais antigas ou cenas de performances ao vivo para o documentário da Netflix. Seu contrato com a Big Machine afirma que ela não poderá regravar material de seu período com a gravadora até Novembro do próximo ano.
Analisando a declaração da Big Machine, essas alegações específicas de Taylor não são completamente negadas. Eles dizem que “em nenhum momento dissemos que Taylor não poderia cantar no AMA ou em seu especial da Netflix”, mas não pediu permissão para usar músicas da era Big Machine em aqueles shows. Eles também dizem que “continuaram a atender a todos os pedidos dela para licenciar seu catálogo para terceiros”, mas não abordam os dois usos propostos em questão. (O representante de Braun e da Big Machine não respondeu ao pedido da Variety para mais esclarecimentos.)
Em seguida, passam a falar sobre a relação conturbada entre Swift e a gravadora, que surgiu na época em que a Braun comprou a empresa por 300 milhões, em 30 de junho deste ano.
Naquele dia, Swift postou um desabafo nas redes sociais no qual disse que estava “triste e enojada” pelo acordo, que inclui os direitos de todo o seu catálogo até a “Reputation” de 2017. Ela chamou o acordo de “meu pior cenário”, disse que sempre desconfiou dele e o acusou de fazer bullying com ela, referenciando um post no Instagram em que Bieber, Braun e Kanye West – com quem Swift estava brigando amargamente e publicamente na época – estavam juntos em uma foto com a legenda “Taylor Swift what up”. Bieber se desculpou pelo post após isso.
“Durante anos implorei por uma chance de possuir meu trabalho”, ela começa o desabafo, “em vez disso, tive que renovar sempre meu contrato com a Big Machine Records e ‘ganhar’ um álbum de cada vez, um para cada novo que eu entreguei. Fui embora porque sabia que depois que assinasse o contrato, Scott Borchetta venderia o rótulo, vendendo assim a mim e ao meu futuro. Eu tive que fazer a escolha excruciante de deixar para trás o meu passado.”
Swift alega ter sido pega de surpresa pelo acordo, o que parece questionável, já que seu pai era acionista da Big Machine e os rumores no setor eram quase inevitáveis ​​nas semanas anteriores ao ocorrido, mas é possível que a família tenha fechado os olhos deliberadamente.
A cantora disse que vai regravar e lançar seu material anterior quando a cláusula do contrato tiver acabado no próximo ano – uma jogada de Taylor para desvalorizar seu catálogo inicial, que agora é propriedade da empresa de Braun – embora isso aconteça ou não (há a possibilidade de uma regravação realmente estimular as vendas dos originais). Só podemos esperar para saber.
Matéria publicada pela Variety e traduzida na íntegra pelo site (TSBR)

Post por: taylorswiftnbr
deixe seu comentário!
base/layout por: print creative • editado por: Julia • Todos os direitos reservados ao Taylor Swift News Brasil © 2019 •